terça-feira, 15 de agosto de 2017

COLONIZAÇÃO DA CAPITANIA DE SÃO VICENTE



Por..:: Marco Antunes de Lima

INTRODUÇÃO 
O Brasil só começou a ser realmente explorado a partir de 1530, principalmente com as lavouras de cana que se tornaram um dos grandes negócios do mercantilismo, mas, não foi apenas engenhos de canas que existiram no Brasil em seus primeiros anos de colônia; a grande produção de cana ficou mais voltada para a região Nordeste do país enquanto havia outras regiões que também sobreviviam. É o caso da capitania de São Vicente, que por questões a serem discutidas neste trabalho sobreviveram também da exploração da cana de açúcar mas também devido a outras atividades econômicas.

O que discutiremos neste trabalho será isso: Como se deu a colonização da capitania de São Vicente? E mais, Por que se deu esta colonização? Iremos aqui discutir os fatores da colonização da capitania de São Vicente, onde foram fundados vários núcleos populacionais do país muito famosos até hoje em dia, como por exemplo a cidade portuária de Santos, e o centro econômico do país, a cidade de São Paulo, isso tudo em meados do século XVI.

AS CAPITANIAS HEREDITÁRIAS
As capitanias hereditárias foram doações de terras por parte da corte portuguesa a donatários com recursos para usos destas terras. As capitanias não surgiram no Brasil, e sim já eram utilizadas na ilha da Madeira. No Brasil as capitanias começaram a ser doadas a partir de março de 1532, a partir de cartas de doação do rei D. João III de Portugal aos seus donatários; no total, as terras brasileiras, ainda traçadas a partir do tratado de tordesilhas, foram divididas em 15 capitanias, pertencentes estas a 12 donatários diferentes. As capitanias mais famosas que existiram no território brasileiro foram as capitanias de Pernambuco, de Duarte Coelho; e a capitania de São Vicente, de Martim Affonso de Sousa.

Em um primeiro momento da história brasileira, as capitanias hereditárias foram inventadas para que a coroa portuguesa pudesse melhor estabelecer os seus domínios sobre a nova terra descoberta, que por 30 anos, ficou a mercê de todos sem que a coroa se importasse com ela. Mas surge a preocupação da coroa portuguesa com as suas terras descobertas, já que corsários de outras nações européias começam a explorar as novas terras, como os franceses que exploravam o pau-brasil no nosso país. Ou seja, as terras brasileiras foram divididas em capitanias e estas doadas a nobres portugueses para que estes, com seus recursos, em um primeiro momento pudessem defender as terras portuguesas ultra-mar.

As capitanias também deveriam ser partidas por seus donatários, ou seja, estes deveriam doar terras de suas capitanias a outros, chamadas estas terras de sesmarias. Essa divisão de terras dentro da própria capitania ocorreu devido a necessidade de colonização que precisava a coroa portuguesa nas terras do Brasil, para que esta fosse melhor defendida contra os invasores de outras nações européias. Uma das capitanias mais conhecidas foi a capitania de São Vicente, a qual veremos a seguir como se desenvolveu e quais suas origens.

capitania de São Vicente foi doada pelo Rei de Portugal, D. João III a Martim Affonso de Sousa à 28 de Setembro de 1532. Mas esta não surgiu no momento de sua doação; já que as terras de São Vicente já existiam antes da chegada de seu fundador, Martm Affonso de Sousa. Bem antes de 1531(quando Affonso de Sousa chegou à São Vicente) já existiam portugueses que habitavam esta região junto com os índios.

Muito antes da chegada da armada de Affonso de Sousa já alguns portugueses habitavam a região da capitania de São Vicente, como por exemplo, João Ramalho e Antônio Rodrigues. Estes homens provavelmente eram náufragos portugueses que vieram parar nestas terras nos primeiros anos após a descoberta da nova terra por parte de Cabral.

Estes homens formaram pequenas vilas (ainda não denominadas como vilas) nas regiões da capitania, e viviam junto com os índios destas regiões. Seus primeiros trabalhos na nova terra era um trabalho de agricultura, pois estes homens vinham de regiões agrícolas de Portugal. A caça de escravos índios também era utilizada por esses primeiros homens em terras brasileiras, já que o porto de São Vicente (antes da chegada de Martin Affonso) era conhecido como um porto de escravos. Esses homens que habitavam não só a região de São Vicente, mas também outros portos mais ao sul provavelmente vieram de naus clandestinas que vinham em busca de terras e procuravam chegar ao rio da Prata, tanto que em alguns portos da mesma época também residiam náufragos espanhóis, que provavelmente buscavam o caminho do rio da Prata.

A chegada de Martim Affonso de Sousa, e também sua instalação na nova terra foi facilitada devido a esses portugueses que já viviam a anos na nova terra e tinham relações mais concretas com os índios da região. Acreditamos que, já na saída de Portugal, Martim Affonso de Sousa já sabia da existência de homens portugueses nas terras que iria explorar e colonizar.

Em 21 de Janeiro de 1532, Marim Affonso de Sousa desembarca em São Vicente e com ajuda de João Ramalho funda a primeira vila brasileira, derivada do antigo porto existente, a vila de São Vicente. Com a ajuda também de João Ramalho, Martim Affonso de Sousa funda também a vila do Piratininga no alto da serra (atual serra do mar).

Martim Affonso de Sousa não permaneceu no Brasil e voltou a Portugal, mas deixou muitos de seus homens em terras brasileira, como por exemplo Braz Cubas que depois se tornou capitão-mor da capitania. Esses homens que ficaram foram aqueles que realmente começaram a colonizar mais intensificamente a capitania de São Vicente, pois começaram a comandar e a organizar a nova terra descoberta.

A IMPORTÂNCIA DOS JESUITAS
Os jesuítas tiveram um papel importante na colonização da capitania de São Vicente, estes podiam ser considerados como um "elemento moderador entre as pretensões dos colonos e as prerrogativas ancestrais dos gentios" (HOLANDA, 1960:69), então, como vemos, os jesuítas facilitavam as relações entre os portugueses colonizadores e os índios. Os jesuítaseram aqueles que catequizavam os índios, e, de alguma forma, colocavam os índios na sociedade colonial para ajudar na colonização de São Vicente.

Foram também os jesuítas que fundaram muitas vilas pelo interior da capitania, como por exemplo, a mais famosa de todas, a vila de São Paulo, fundada pelo Padre José de Anchietaem 1554. Os jesuítas fundavam essas vilas, tanto para serem pontos de concentração de colonos mas também para sempre pontos de catequese dos índios nativos. Então, como vemos, os jesuítas tiveram um papel muito importante na colonização da capitania de São Vicente e também na colonização das terras brasileiras.

A DEFESA DAS TERRAS DESCOBERTAS
A colonização da capitania de São Vicente e de todo o resto do Brasil se deu muito devido a necessidade de defesa por parte dos portugueses contra as outras nações européias que tentavam conquistar terras no novo mundo. Muitos dos que vieram colonizar e povoar a capitania de São Vicente vieram a mando da coroa portuguesa para também defender as terras. Os franceses se localizavam nas terras onde hoje fica o Rio de Janeiro, e a proteção contar esse era muito importante, como vemos no trecho a seguir: "Embora naquela época se cogitasse do levantamento de fortificações em vários pontos do litoral brasileiro, foram especialmente as Capitanias de Santo Amaro e de São Vicente, próximas ao Rio de Janeiro, onde se haviam instalado os franceses, os locais mais visados pelos cuidados bélicos da administração lusitana." (CORDEIRO, 1951:157) Os espanhóis se localizavam mais ao sul, isso fazia que a região da capitania sofresse sempre ataques principalmente as vilas portuárias, que também eram atacadas por corsários ingleses. A proteção das terras da coroa era tão importante que fortes foram construídos para melhor assegurar as defesas.

A colonização não serviu apenas para se defender das outras nações européias mas também para se defender dos índios, que, como por exemplo os tamoios atacavam os povoados portugueses em terras brasileiras. Infinitas guerras aconteciam entre os portugueses e os índios, e estes últimos, quando derrotados eram geralmente escravizados e utilizados nas vilas e até mesmo vendidos, se tornando a escravização dos índios um grande negócio existente na Capitania de São Vicente. A escravização indígena era um negócio existente antes até da chegada de Martim Affonso de Sousa à São Vicente.

O OURO E A PRATA
O mito do El Dorado sempre fascinou os europeus por toda a sua história, crescendo ainda mais após a descoberta da América e ainda mais após os espanhóis acharem ouro e prata no Peru e no México. O sonho do El Dorado não ficou apenas no lado espanhol mas também apareceu no lado português e a capitania de São Vicente tem grande importância na procura do ouro e da prata na América. Muitos dos colonos que povoaram a capitania de São Vicente vieram em busca do ouro, que era relatado como achado por alguns pelo sertão da capitania. A busca pelo ouro e pela prata foi muito importante para o povoamento e para colonização de São Vicente e toda sua região. Essa busca serviu também para que a colonização e povoamento das novas terras não ficassem apenas na faixa litorânea e sim para que esta se estendesse pelo sertão, criando novas vilas e assim crescendo a população brasileira.

CONCLUSÃO
A Capitania de São Vicente foi uma das mais conhecidas da história brasileira, foi nela que a primeira vila brasileira foi fundada e foi nesta região que grandes cidades brasileiras surgiram.

O povoamento desta capitania já existia antes desta existir oficialmente e antes que o Rei de Portugal ordenasse a colonização desta área, por parte daqueles, náufragos provavelmente, que fundaram os seus pequenos portos, principalmente para comercialização de escravos.

A colonização e povoamento da Capitania de São Vicente se deu por dois fatores principais muito importantes; o primeiro é o fator de que as terras brasileiras precisavam ser defendidas de ataques de outras nações européias, e para se defender uma terra é necessário que exista pessoas nesta terra. São Vicente era ainda um ponto de perigo de perda para os portugueses, pois esta capitania ficava perto das áreas de domínio espanhol e também próxima ao Rio de Janeiro, onde os franceses se instalaram, e também era uma zona de passagem para o Rio da Prata. O segundo fator importante para a colonização, e mais importante, povoamento desta capitania é o da busca pelo ouro e pela prata, em suma, a busca pelo el dorado; trazendo muitos portugueses que se aventuravam pelos sertões da capitania em busca do ouro.

A capitania de São Vicente foi uma das poucas capitanias em que a colonização não se deu apenas na faixa litorânea, mas também no sertão, já que a sua existência não se deu para a plantação de cana-de-açúcar como nas capitanias nordestinas. A colonização e povoamento na Capitania de São Vicente foi muito diferente das outras capitanias brasileiras.

BIBLIOGRAFIA
- CASTRO, Eugênio de. A Expedição de Martm Affonso de Sousa: 4º Centenário da Fundação de São Vicente. F. Briguiet & Cia: Rio De Janeiro, 1932.

- CORDEIRO, J. P. Leite. Braz Cubas e a Capitania de São Vicente. São Paulo, 1951.

- HOLANDA, Sérgio Buarque de. História Geral da Civilização Brasileira.1º Volume. Difusão Européia do Livro: São Paulo, 1960.

- THEODORO, Janice. São Paulo- Quatro Séculos de História. Artigo retirado da internet no endereço http://www.ceveh.com.br/artigos/sampa.htm.

- Grande Enciclopédia Larrouse Cultural. Volumes 5 e 21. Plural Editora e Gráfica: São Paulo, 1998.

- Texto retirado da internet no endereço http://www.historiadobrasil.com.br/

Fonte..:: Blog Caiçara





quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Ofício 11/2017: (SPU) Transferir ao Município a gestão das praias marítimas urbanas de seu território, inclusive as áreas de bens de uso comum com exploração econômica




Anexos:

1) Portaria Interministerial Nº 113, de 4 de maio de 2017 (Ministério de Estado do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão e Ministério do Turismo) (AQUI).

2) Portaria Nº 113, de 12 de Julho de 2017 (Ministério de Estado do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão e Secretaria do Patrimônio da União) (AQUI). 



Resposta Ofício 






COMTUR FORTE = Turismo Forte!


13º Reunião Ordinária do COMTUR São Vicente (07-08-2017)

Olá Membros e Parceiros do Turismo,

13º  Reunião Ordinária do Conselho Municipal de Turismo de São Vicente (Gestão julho 2016/2018), que será realizada (Segunda-feira), dia 07 de Agosto de 2017, às 19h30, nas da Associação Comercial de São Vicente, localizada na Rua Jacob Emerick, 1238 (térreo), Centro, na cidade de São Vicente SP.


Obs: O início dos trabalhos é as 19h30. Por gentileza, chegar com 15 minutos de antecedência.
Pela quantidade de Pautas e definições importantes, sugiro no dia estendermos um pouco a nossa reunião.


..::Trabalhos do Dia:

1. Um minuto de silêncio (Em respeito ao Sempre Membro do Conselho do Turismo Sr. Mário dos Quiosques.)
2. Últimas Atas;
3. Ofícios (protocolos/andamentos);
4. Projetos e Ofícios: Todos são bem vindos! Trazer por escrito para o COMTUR;
5. Obras Dadetur: Projeto Executivo, Data limite: 15 Agosto. Apresentação do Projeto ao COMTUR.
6. Participação do COMTUR na Audiência sobre o Plano Plurianual (PPA) do Municipio;
7. Participação do COMTUR na Reunião CONSEG;
8. Participação do COMTUR na APRECESP;
8. Apresentação Empresa Urbatec Soluções Ltda (Plano Diretor de Turismo);
9. Circulação de Veículos em São Vicente e Região. Comissão da Câmara de Vereadores e participação do COMTUR.
10. Qual o Plano/Projeto de Turismo da Prefeitura para esta gestão?
11. Assuntos Gerais.

A confirmação da presença e as justificativas de ausência dos Membros do COMTUR devem ser enviadas através por e-mail, antes da próxima reunião.

Agradecemos a Todos que já estão Contribuindo para uma São Vicente Melhor!
COMTUR Democrático, Participativo e Transparente.
Precisaremos da Participação Pró Ativa de Todos!


COMTUR FORTE = Turismo Forte!


Somente com o Diálogo e a União de Esforços teremos um Turismo Consolidado e Sustentável em São Vicente.

Qualquer dúvida e sugestão ficamos à disposição,

Muita Luz...

Renato Marchesini
Presidente COMTUR São Vicente.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

#ArraiádoParqueEcológicoVoturuá



Ocê ta convidado pra nossa festança#ArraiádoParqueEcológicoVoturuá
Dias : 27 á 30 de Julho 
Local: Rua Anita Costa s/n
Horário : Quinta -feira e Domingo 15hs as 22hs
Sexta-feira e Sábado 15hs as 24hs

Os ingressos custam R$ 2,00. Crianças com até 5 anos de idade e pessoas acima de 60 anos não pagam ingresso. 

Diversão garantida para toda família, com deliciosas opções gastronômicas , comidas típicas, bebidas ,brincadeiras, doces , musica e apresentação das quadrilhas campeãs do Festival Estadual . 
Venha se divertir conosco !!

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Parabéns a Todos do Comtur e Secretaria de Turismo. São Vicente está no Mapa do Turismo. Agora é trabalharmos para Evoluirmos para Categoria A.

video


Saiba mais sobre o Mapa aqui:  http://bit.ly/2uRHLUv

Como Cadastramos!

Ofício 07/2017 (AQUI) - Mapa do Turismo Brasileiro Ministério do Turismo / Programa de Regionalização do Turismo. + Anexos: 1) Portaria Nº 205, de 2015 (AQUI), 2) Portaria nº 268, de 2016 (AQUI) do Ministério do Turismo, 3) Termo de Adesão AQUI e 4) Ofício Governo SP AQUI (Respondido + Demanda Concluída).


Agora é trabalharmos para Evoluirmos para Categoria A

Ofício 09/2017 (AQUI) - Multirão Cadastur (Cadastro Ministério do Turismo). + Anexos: 1) Agenda Propositiva e Release de Multirão Cadastur e 2) Portaria Nº 197, de 31 de julho de 2013 do Ministério do Turismo (AQUI). (Aguardando retorno do Gabinete do Prefeito).

terça-feira, 25 de julho de 2017

Ofício 10/2017: Marketing, Promoção e Autoestima do Destino São Vicente



 ANEXO








Ofício 09/2017: Multirão Cadastur (Cadastro Ministério do Turismo)



 ANEXO



Anexo
PORTARIA Nº 197, DE 31 DE JULHO DE 2013 - MINISTÉRIO DO TURISMO  (AQUI)

Convênio DADETUR para Realização da Encenação de São Vicente 2018


-------- Mensagem original --------
Assunto:Re: Oficio 100/2017 - SEPES - Solicitando copia de Ata COMTUR
Data:25.07.2017 09:55
De:Renato Marchesini + Caiçara Expedições <renato@caicaraexpedicoes.com>
Para:<sepes@saovicente.sp.gov.br>
Cópia:Comtur Sao Vicente 2016 <comtursaovicente2016@googlegroups.com>

Olá Cláudia, boa tarde!



Sobre registrar em Cartório as Mesmas. Já estamos ALERTANDO isto a tempos. Mas o Executivo da cidade até o presente não compreendeu desta necessidade. O COMTUR não possui apoio e nem recursos para esta e outras ações futuras. Segue aqui http://caicaraexpedicoes.com/upload/arquivofile/tipoarquivofile/757b505cfd34c64c85ca5b5690ee5293.pdf de Janeiro do COMTUR solicitando o o gerenciamento em conjunto do COMTUR e SETUR. E que até o momento nem a resposta do ofício tivemos. Continuamos a aguardar o posicionamento e trabalho responsável, gestão e orçamento participativo desta gestão. Aguardamos ansiosos esta medida do Fundo Municipal de Turismo para assim registrarmos em cartório todas nossas Atas.  

Muita Luz.....

Renato Marchesini
Gestor de Projetos - Caiçara Expedições
email: renato@caicaraexpedicoes.com
site: www.caicaraexpedicoes.com
blog caiçara: www.blogcaicara.com
facebook: www.facebook.com/caicaraexpedicoes.fanpage
twitter: @caicaraexp
tel: (13) 3466.6905 - cel: (13) 9 8113.4819


Em 24.07.2017 15:10, sepes@saovicente.sp.gov.br escreveu:
Boa tarde Renato!
Com nossos cordiais cumprimentos conforme conversa por telefone, vimos por meio deste encaminhar em  anexo Of. Nº 100/12 - SEPES, em que solicitamos cópia da Ata da Reunião do COMTUR, (devidamente registrada em cartório) em que se aprova o convênio para a realização da 36º Encenação da Fundação da Vila de São Vicente.
Desde ja agradecemos a atenção e nos colocamos a disposição para melhores esclarecimentos através do telefone (13) 3467-71-34
Sem mais,

Claudia Freire
Assessora Executiva
Secretaria de Projetos Especiais - PMSV

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Informação Importante! Prazo Final: 15 Agosto Projetos Executivos DADETUR

-------- Mensagem original --------

Assunto: Informação Importante! Prazo Final: 15 Agosto Projetos Executivos DADETUR
Data: 14.07.2017 15:56
De: Renato Marchesini + Caiçara Expedições <renato@caicaraexpedicoes.com>
Para: Comtur Sao Vicente 2016 <comtursaovicente2016@googlegroups.com>
Prezados , boa tarde!!

Informação Importante! Prazo final: 15 Agosto Projetos Executivos COC / DADETUR.

Os Pleitos aprovados pelo COC, somente possuirão andamento com a entrega dos projetos executivos.

Muita Luz....
Renato Marchesini

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Por que investir no turismo?

Por..:: Renato Marchesini

De uma forma prática, vamos exemplificar e mexer com o seu imaginário. O turista chega em uma localidade para se instalar por dois dias, numa viagem de lazer. Nesse tempo ele pagou pelo serviço de hospedagem, serviço de agência de receptivo, passeio de barco, serviços de alimentos e bebidas, serviço de transporte coletivo e/ou alternativo (ônibus, táxi, moto-táxi), comprou artesanato e souvenirs..... 

Daí, se você perguntar: quem se beneficiou com a presença do turista foram somente os atores citados? 

A resposta vai ser um enfático NÃO! Porque o dinheiro recebido pelo estabelecimento de hospedagem comprou os insumos para o café da manhã nos mercados e padarias, a agência de turismo compra material de escritório, o barqueiro poderá investir em novos coletes salva-vidas, o dono do restaurante poderá comprar novos talheres, o taxista poderá pagar o emplacamento do veículo, o vendedor de souvenirs, por exemplo, comprará tapetes de “bem-vindo” e todos podem investir em mais publicidade. São alguns pequenos exemplos. 

Ou seja, setores que outrora poderiam pensar que não tinham nada a ver com o turismo, também receberam parcela daquele dinheiro que o turista investiu no lazer.

O leque de informações relacionadas ao turismo é de tamanha abrangência que geram diversas oportunidades. A relação do turismo com o Destino é maior do que as pessoas pensam.




domingo, 9 de julho de 2017

Férias no Parque Ecológico do Voturuá



A partir deste Sábado (08/07), o parque terá uma série de atividades no local, incluindo monitoria com estagiários de veterinária/biologia que orientarão sobre a vida dos animais do Parque. Além de recreações lúdicas, pintura facial, argola, dança das cadeiras, fantoches, oficinas de desenho e de dança, amarelinha, esconde-esconde, jogos de dama, conscientização ambiental e teatrinho

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Reunião JULHO COMTUR

Prezados boa tarde!

Devido imprevistos, estamos CANCELANDO nossa reunião de JULHO do COMTUR da semana que vem. Por gentileza, ajudem a avisar a todos

Segue data de nossa Próxima Reunião: 09 de Agosto (Quarta-feira) ás 15h00. Local: A Definir.

Para quem poder ir: dia 13 de Julho tem Reunião do Conselho de Segurança na Associação Comercial as 19 horas.

Muita Luz...

Renato Marchesini




Sobre o Cancelamento, excepcionalmente neste mês Julho. Temos muitos dos conselheiros que me alertaram da dificuldade da presença devido época de férias escolares. Alguns aproveitando o mês para trabalhar a arrecadação $ para o segundo semestre e outros por estarem mesmo de férias com seus filhos. Somos do Turismo né? E analisando a baixa frequência das gestões anteriores e muito dos outros conselhos de turismo a Diretoria em comum acordo decidiu por bem retornar nossas reuniões ordinárias em Agosto. Mas o trabalho continua!!!! Todos podemos neste tempo produzir material e agilizar as demandas do COMTUR e do Turismo de São Vicente e Região. Fico à disposição. Muita Luz... Renato Marchesini

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Caderno Didático "Políticas Públicas e Direito à Cidade: Programa Interdisciplinar de Formação de Agentes Sociais

O Observatório das Metrópoles promove o lançamento do Caderno Didático "Políticas Públicas e Direito à Cidade: Programa Interdisciplinar de Formação de Agentes Sociais" com o objetivo de oferecer capacitação para a reflexão crítica a movimentos sociais e lideranças populares, conselheiros municipais e gestores públicos para uma ação participativa e consciente.


O caderno tem como ponto de partida o Direito à Cidade, entendido como direito coletivo no qual todas as pessoas possam usufruir da cidade e ter seus direitos fundamentais assegurados; e também um direito coletivo de recriar a cidade de forma participativa. 

A partir desse conceito são abordadas questões como a produção capitalista do espaço; conflitos urbanos; o papel das mulheres nas lutas urbanas; justiça ambiental; direito à água, à habitação, à mobilidade e à cultura. Além de temas como militarização urbana, e a luta de resistência dos movimentos populares.

Baixe AQUI o Caderno Didático "Políticas Públicas e Direito à Cidade: Programa Interdisciplinar de Formação de Agentes Sociais"



Baixe AQUI o Caderno Didático "Políticas Públicas e Direito à Cidade: Programa Interdisciplinar de Formação de Agentes Sociais"

Audiência Pública sobre Resíduos Sólidos

Audiências públicas acontecem nos dias 5, 6 e 7 de julho, respectivamente, em Bertioga, São Vicente e Itanhaém. Saiba mais sobre o assunto e veja as fotos das Oficinas Microrregionais realizados no Guarujá e Peruíbe.



quarta-feira, 28 de junho de 2017

Audiência Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2018 - 2020. COMTUR Presente e Atuante!

Data: 20-06-2017

Audiência para discussão da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2018 - 2020. Segue o vídeo completo da audiência, assim como os slides utilizados durante a apresentação (apesar de também aparecerem no vídeo).

História da Ponte Pênsil São Vicente / SP - Números da Ponte Pênsil São Vicente / SP

Foto de..:: Renato Marchesini

Inaugurada em 21/05/1914, a velha Ponte Pênsil começou a ser planejada em 1910, pelo engenheiro sanitarista Saturnino de Brito, com o objetivo de promover o escoamento das águas e evitar a propagação de doenças. A necessidade de conduzir os dejetos até a ponta do Morro do Itaipu levou o sanitarista a planejar a construção de uma ponte sobre o Mar Pequeno, em São Vicente, entre os morros dos Barbosas e Japuí.

A passagem facilitaria inclusive o acesso à Fortaleza de Itaipu, na área continental do município, até então de difícil comunicação. A sua inauguração foi prestigiada por diversas personalidades de fama internacional a edificação é exemplo da capacidade da engenharia brasileira, a Ponte Pênsil, quer por sua aparência monumental, ou por sua comprovada solidez, é sem dúvidas um dos principais monumentos históricos da cidade, bem como do Brasil.

A velha ponte ainda conserva vários materiais originais, trazidos de Dortmund, na Alemanha, para sua construção, como os cabos de aço que sustentam sua gigantesca estrutura. As velha ligação, tombada pelo Condephaat, suporta até 60 toneladas e, em 1994, quando completou 80 anos, ganhou um sistema de iluminação que a destaca à noite no cenário vicentino, a iluminação é idêntica a de outras pontes famosas como a Golden Gate, em São Francisco, nos Estados Unidos, e a Ercílio Luz em Florianópolis. Sua reforma em 1999, garantiu a velha senhora, "vitalidade" para a virada do século. A Empresa Bandeirante de Energia (EBE) firmou parceria com a Prefeitura de São Vicente com o objetivo de bancar os custos da nova iluminação da ponte. A iluminação foi uma homenagem da empresa aos 500 anos do Brasil.

A obra é do tipo "ponte suspensa por cabos de aço" ; com vão livre de 180 metros por 5metros de largura. O piso de madeira está a 6,5 metros da maré mínima, e a 4 metros da maré máxima. Suas torres atingem 20 metros e sustentando cada uma 4 cabos de aço de 0,085 mm e 12 de 0,064mm. Nas laterais do piso, está o leito para a travessia de pedestres com 1,4o metros de largura, lateralmente sobre a ponte passam 2 emissários de esgoto de 0,50 mm e um terceiro com tubos de 0,65 mm, rumo a Praia Grande ( antigo bairro de São Vicente, emancipado em 1967 ).

A Ponte Pênsil projetada para sustentar além de seu próprio peso, três linhas de tubos de aço para esgoto (finalidade principal para qual foi construída); carga uniforme de 100 kg por m2 distribuída sobre os cabos de suspensão, e 2 carros motores, cruzando-se, cada carro tendo o peso de 6 toneladas sobre dois eixos afastados 2,92 metros entre si.

As torres, às quais estão ligados os cabos de aço, medem 23 metros de altura inclusive 8 metros que se acham enterrados em concreto sobre o solo. Os cabos sustentadores do tabuleiro são em número de 16 com comprimento de 286 metros. Desses cabos, 12 pesam 6 toneladas cada um, e 4 atingem a 10 toneladas de peso cada.

De expressão e beleza sem par a Ponte Pênsil é conhecida internacionalmente. A Ponte Pênsil é o cartão postal nº 1 da cidade de São Vicente. Paraíso para os fotógrafos ela proporciona os mais belos trabalhos. Sua vista aérea é de uma beleza incomensurável e atualmente ganhou uma aliada para compor o cenário Vicentino: a Bandeira Nacional no Morro dos Barbosas.

..:: SAIBA MAIS ::..
Fotos Construção Ponte Pênsil - AQUI

Foto Antiga Ponte Pênsil 1 - AQUI

Foto Antiga Ponte Pênsil 2 - AQUI


domingo, 25 de junho de 2017

Contratação do Plano Diretor de Turismo



Vários questionamentos estão sendo feitos sobre a contratação do serviço. Vejam Aqui: 

O que entendo normal e muito importante neste diálogo.
Feliz em ver a Sociedade conversando sobre Políticas Públicas para o Turismo.


Meu posicionamento pessoal (Renato Marchesini) sobre a questão. Abaixo:

Bom dia Fernando! Lindo Domingo.

Obrigado!
O que queria era alertar na Audiência Pública do PPA é que se não forem destinados Recursos para o Turismo em Orçamento Municipal, perderemos a possibilidade de receber recursos de verbas de turismo em âmbito Estadual e Federal. O Município não pode comer esta bola. Por isso da minha fala que inclusive ressaltei da importância de estar na Ata.

Sim, o PDTUR pode ser feito pela Secretaria de Turismo, em Conjunto/Apoio com Instituições de Ensino, COMTUR e Sociedade.

Vale ressaltar que este "Plano de Negócios" o PDTUR (Plano diretor de Turismo) deve estar pronto até o final do Ano, para ser entregue no Máximo até Abril de 2018, com a participação do Comtur, toda a Sociedade e Audiências Públicas. Se não fizermos isso deixamos de ser Estância Turística para Sempre e perderemos Toda e Qualquer verba Dadetur. Assustador!!!!

Infelizmente o mesmo não foi feito em anos anteriores, mesmo com toda a nossa cobrança. Era uma Secretaria de Esportes e Turismo. Que de turismo quase nada se fez. E que os tais "profissionais do turismo" que deveriam ter esta responsabilidade não o fizeram. Sei que tinham pouca infra e apoio para isso. Mas também afirmo que em grande parte era realmente dedicação dos mesmos.

No ano passado nas eleições, alguns guerreiros empreendedores da cidade e do COMTUR, fizeram um documento com Metas do Turismo para a Cidade e levaram a todos os candidatos do Executivo. Tendo uma grande reivindicação de ter um Pasta Exclusiva de Turismo. Devido o seu papel extremamente importante e já seguindo diretrizes estaduais e do MTUR. Conseguimos sensibilizar todos os candidatos desta vital necessidade. E como combinado o atual executivo criou a pasta, que entendemos como decisão muito acertada.

Como colocado por Vcs também entendo que a mesma deveria estar ocupada em grande maioria por profissionais do turismo e que os mesmos sejam eficientes e experientes. Secretaria Exclusiva. Profissionais Exclusivos.

Nesta gestão entendemos que o PDTur também não estava tendo a atenção devida e por isso novamente o COMTUR entrou em Ação fazendo o questionamento quanto ao andamento do mesmo.

Como estava tendo a dificuldade de ser construído na Setur e também devido o prazo curto (Dead Line), se entendeu que a melhor forma era contratar os serviços especializados. Estávamos sabendo que seria tentado buscar empresas para a confecção do plano. Mas não soubemos e não fomos informados sobre qualquer data, forma de contratação, edital, licitação, carta convite, ou qualquer linha ou parágrafo que se exige no serviço... foi um processo interno da prefeitura.

Analisando sobre o preço de R$ 70.000 e comparando com outras cidades, como por exemplo Santos, que ficou entorno de R$ 500.000, digo que se eu fosse vender este serviço e montar equipe com certeza cobraria muito mais do que 70 mil.

Tenho a total consciência da importância de ter este PDTUR pronto e que seja logo para garantir a verba Dadetur (milhões em jogo), bem como o Plano Estratégico de Turismo para Nortear Ações ao longo de anos. O Turismo é o DNA de São Vicente.

O que compreendo é a Atenção de toda a população quanto ao trabalho que será entregue pela empresa, se ela segue as diretrizes do Estado e conforme lei 1261/2015. E seja um planejamento útil para tornar São Vicente em Destino Consolidado e Sustentável de Turismo.

Acredito que seja muito importante o acompanhamento e participação de Vcs e de Toda a Sociedade neste processo todo.

Gostei Muito do posicionamento de Vcs aqui. Muito Precisos! Precisamos Somar.

As reuniões do COMTUR aqui..:: http://comtursaovicente.blogspot.in/p/agenda.html navegue em nosso site. Um modelo transparente e participativo de conselho. Estamos avançando, mas temos ainda muito trabalho a aprendizados. Juntos Somos mais Fortes!

O Facebook do COMTUR AQUI


OBS: Sou Apartidário. Sou Profissional, Empreendedor, Educador e Pesquisador em Turismo.

COMTUR FORTE = Turismo Forte!

Fico à disposição
Muita Luz...
Renato Marchesini




Para Saber mais sobre PDTUR ..:: AQUI


Ofício COMTUR sobre o PDTUR..:: AQUI